como-saber-se-voce-esta-com-depressao

Conheça os sintomas da Depressão

As Várias Faces da Depressão

A depressão é uma velha conhecida de todos nós. A nossa saúde física e mental está diretamente ligada sobre a maneira como nós pensamos e sentimos a respeito de nós mesmos. Não é tarefa simples descrever o que possa ser uma saúde mental sensata para todos os indivíduos. Isso depende de como eles interpretam a vida para se sentirem mentalmente saudáveis. Por outro lado, existem alguns sinais que indicam quando uma pessoa incorpora um problema de saúde mental. Esses sinais ser observados quando as funções mentais da pessoa parecem não estar realizando as suas tarefas. Neste caso, existe uma alternância entre o seu pensamento e o seu comportamento.

Vamos tomar a depressão como exemplo. Embora não exista padrão definido, cada pessoa será afetada pela depressão de forma diferente. Existem algumas pistas simples que nos remetem a esse diagnóstico.

A depressão é muito mais do que se sentir cansado, desanimado ou triste por um fato isolado. Todos nós passamos por pontos altos e baixos na vida. Considera-se clinicamente deprimido, a pessoa que não pode ou não consegue recuperar o estado de humor considerado razoável no conjunto de sua vida. Esse é o momento em que a depressão persiste e começa a interferir na sua rotina diária tradicional. Verifica-se uma tendência de não mais apreciar as atividades e passatempos que antes eram agradáveis.

Sintomas Comuns na Depressão

  • Para a pessoa que está com depressão, torna-se difícil até mesmo acordar de manhã e ir para o trabalho ou para a faculdade. Em geral, o sono também é afetado durante a noite e isto faz com que essa pessoa se pareça com um zumbi e troque a noite pelo dia;
  • Outra área que é afetada durante o processo de depressão é a do relacionamento (família, amigos e colegas de trabalho) que vão influenciar diretamente a autoestima de quem está com depressão. Existe uma tendência do deprimido passar para um estágio de inferioridade, não se sentindo bem com ele mesmo o suficiente para interagir com essas pessoas;
  • A depressão e ansiedade andam juntas, além do pânico que agem sem uma causa específica ou razão de ser;
  • Outro fator que se observa é na alimentação onde o deprimido esbarra com uma flutuação no seu peso. O padrão alimentar desse indivíduo será alterado levando-o a comer demais ou a perder completamente o apetite;
  • Existe a tendência tanto de chorar muito, como de se sentir dormente e incapaz a ponto de não conseguir expressar as suas próprias emoções;
  • Em alguns casos observa-se um elevado grau de hostilidade e agressividade sem nenhuma razão aparente;
  • Para o deprimido a vida pode parecer muito difícil e aquelas tarefas que, até então eram corriqueiras, tornam-se um fardo muito pesado para carregar;
  • O sentimento de culpa é comum, neste caso o próprio deprimido se culpa e se acha merecedor de uma punição;
  • São observados distúrbios de memória onde a pessoa encontra muita dificuldade para organizar os pensamentos e fazer associações;
  • Outros sintomas físicos, como dores de cabeça, musculares sem uma causa aparente ou uma rinite não-alérgica  também podem indicar que há algo de errado.

Fique Atento aos Sintomas

Os sintomas acima mencionados podem se manifestar de diferentes formas em cada pessoa. Se esses sintomas de depressão persistirem por mais de duas semanas. Se forem graves o suficiente para interferir no curso natural da vida e na rotina diária, pode ser indício de uma depressão maior. Nesse caso é suscetível de ser diagnosticado. Deve-se redobrar a atenção e procurar um diagnóstico médico para não desencadear outras doenças .

Quem são as pessoas que ficam deprimidas?

Ainda não existe uma comprovação científica do porque alguns indivíduos tornam-se deprimidos e outros não. Também não há uma única causa conhecida de depressão. Alguns episódios depressivos vão ser desencadeados por fatores bioquímicos, genéticos, psicológicos, ambientais e sociais, ou uma combinação destes. O que se sabe é que existem apenas alguns grupos de risco propensos a desenvolver depressão. Dentre esses grupos estão inclusos os deficientes, aqueles que vivem em más condições de vida, aqueles que já possuem um histórico familiar de depressão, os sem-teto, as minorias étnicas e as pessoas na prisão. Normalmente, as circunstâncias da vida podem desencadear um episódio de depressão como a aposentadoria, o divórcio, o luto, a separação, problemas no trabalho ou dificuldade financeira.

Vale ressaltar que ninguém está imune à depressão. Qualquer pessoa pode desenvolver um transtorno depressivo. Os grupos de risco têm maior probabilidade de contrair a depressão justamente pelas circunstâncias e pelo próprio meio em que se encontram. O fato é que a depressão pode atingir qualquer pessoa em qualquer momento de sua vida.

Recuperando-se da Depressão

De todas as barreiras encontradas para ajudar na recuperação da depressão ou qualquer problema mental, uma das maiores é a relutância em procurar ajuda. As pessoas têm muita dificuldade em admitir que não conseguem lidar com esse problemao. As principais razões para essas pessoas não procurarem ajuda são: vergonha do que os outros vão pensar, achar que pode resolver sozinho e falta de conhecimento. Tudo isso faz com elas fiquem travadas e não tomem uma atitude. Fique atento porque, dependendo do caso, os sintomas podem não desaparecer e ainda se prolongarem por muitos anos por falta de tratamento.

Um problema de saúde mental é uma experiência intensa e isolada porque o deprimido não consegue expressar como está se sentindo. A compreensão e o apoio da família e amigos é muito importante e irá ajudar na recuperação dessa pessoa. Lembrando  que a depressão é tratável e é também bastante comum.

O médico é a melhor pessoa para aconselhá-lo sobre qual é o melhor tratamento. Ele é o profissional capacitado para fazer uma avaliação completa a fim de se obter um diagnóstico preciso. Ele também deverá levar em consideração quaisquer formas alternativas de tratamento que possam contribuir. Em muitos casos, o tratamento pode se basear em algum tipo de medicamento, uma terapia ou talvez a combinação de ambos.